Se você é como eu, então você veio correndo para internet depois de assistir esse filme.

400 Dias é um filme de ficção científica psicológica que estreou em 2015. A estória mostra um grupo de quatro astronautas enviados em uma missão simulada de 400 dias a um planeta distante para testar os efeitos psicológicos de uma viagem interplanetária. O elenco conta com nomes fortes, entre eles, Brandon Routh, Caity Lotz, Ben Feldman e Dane Cook.

Até ai tudo bem, me interessei bastante, você já viu o trailer? É muito bom, dá uma olhada.

Se animou? Então vai lá assistir, pois a partir de agora começa a SESSÃO SPOILER.

Viu o filme? Então você provavelmente gritou para a tela e ficou olhando para os créditos se perguntando ‘o quê diabos aconteceu aqui?’. Bem, depois de assistir o filme por uma hora e meia, decidi voltar e assistir com mais atenção, quebrar o filme, para tentar dormir tranqüilo.

É, não estou brincando, o filme vai te deixar sem sono, pois ele dá a impressão que não há pistas suficientes, mas elas estão lá, até demais.

Como eu disse anteriormente vou ter que dar alguns SPOILERS para conversarmos sobre isso.

400 Dias lida com uma experiência psicológica para testar os efeitos em astronautas no espaço por longos períodos de tempo. É um filme sólido, que vai te prender e estimular sua imaginação.

Dica um – Experimento psicológico, só isso já diz muita coisa. Eles querem que você acredite, não é? É tudo uma experiência ou o apocalipse lunar realmente aconteceu enquanto eles estavam em uma nave subterrânea?

Todos sentados da mesma forma como sentam na nave.
Todos sentados da mesma forma como sentam na nave.

O filme deu muitas pistas para explicar o final do filme.

A Doutora:

No início fica bem claro que a doutora sabe mais do que os outros sobre o experimento. “Lembre-se do nosso acordo”, diz o diretor. Embora, ela explique mais tarde que ele a estava lembrando de ficar longe do ex-namorado, o capitão Theo.

A doutora Emily, dá injeções para os homens, mas ela toma pílulas. Em cada experimento, tem de haver uma constante. Ela é a constante. As pílulas ajudam a manter a clareza, enquanto as injeções causam alucinações nos homens. Por isso só eles são testados.

Sua suposta morte era uma farsa, se você lembra ela tomou comprimidos extras, ficou tonta e foi dormir. Tudo combinado.

Alucinógenos causam uma projeção do medo ou de algo em seu subconsciente, daí temos o Bug vendo seu filho morto. Ele não estava ficando louco, nem vendo um fantasma, ele estava tendo alucinações. Quando ele consegue entender isso, o experimento remove ele. Na realidade a Emily ajuda com isso. É por isso que ela desaparece por alguns instantes. Sendo parte do experimento, ela teve que ficar fora de cena para que Theo descobrisse a carnificina. Ela tinha que deixar Bug fora do caminho.

Na nave:

Agora, algumas coisas que você pode não ter pensado. Quando ocorrem as explosões e a nave se mexe, o personagem de Dane Cook pergunta: “Será que estamos nos movendo?”

Eu acredito que eles realmente foram transferidos para um estúdio. Onde tudo aquilo foi criado. A tripulação disse que a cidade não estava lá antes do experimento. Então, no apocalipse a cidade simplesmente surge com energia?

Quando a Doutora ‘mata’ o homem que está estrangulando o Capitão Theo a expressão no rosto do homem é de incredulidade, como se ele não acreditasse que realmente fosse morrer. Como se tudo fosse somente para testar os tripulantes masculinos.

Poeira lunar? Ok, sério, se a lua se desfez, haveria muito mais danos do que rochas caindo do céu.

Como escritor, colocamos a verdade em um personagem. Um personagem que acredite ou não, acaba dizendo verdades. Às vezes você pode não entender que o personagem está dizendo realmente a verdade. Achamos que ele é louco ou está só fazendo suposições. Dane Cook é esse personagem.

Ele afirma a todo momento que é tudo parte da experiência, lembrando o telespectador que nada daquilo é real. Ele chega a gritar. “Gente, me escuta. Não é real.”, mas nós não prestamos atenção, nós estamos muito ocupados torcendo para que seja real.

Na cidade:

Ele diz que todas as pessoas da cidade “eram estranhamente familiares e que pareciam os repórteres”. Ele está correto. Os repórteres são creditados no fim do filme como repórter de 1, 2, 3 etc. Mas nenhuma das pessoas da cidade aparece nos créditos. Porque assim ficaria confirmado que eles também eram repórteres.

O comportamento das pessoas na cidade também não ajudou muito. Ficou claro que eles só queriam passar uma imagem de quem pode machucar, que eram canibais ou algo do tipo, mas a forma como a mulher reagiu ao esfaquear sem querer o Capitão Theo deixou claro que eles não deviam de forma alguma ferir os tripulantes.

Visão Noturna:

Outra razão para ter sido apenas um experimento, enquanto eles estavam na cidade eles continuaram a ser vigiados com visão noturna. Acho que é possível ter uma loja de artigos esportivos lá com algum equipamento para caça noturna, mas parecia mais como se eles estivessem sendo observados da mesma forma como na nave (onde as câmeras mantinham movimento, mesmo depois de supostamente perder contato com o controle da missão).

Mulher pelada:

A maior pista, e a razão do personagem do Cook desaparecer é que ele reconheceu a gostosa da cidade como a Miss Fevereiro da revista que ele ganhou de ‘presente’ no inicio da missão. Era realmente ela mesma. A revista com a foto dela foi dada de propósito para ver se ele iria se lembrar, ele lembrou, chamou a atenção dos amigos para isso e ele foi removido do experimento.

A Miss Fevereiro na revista é a mesma mulher que aparece no bar.
A Miss Fevereiro na revista é a mesma mulher que aparece no bar.

O final:

A cena final com as mortes, bem, para ser honesto, talvez tenha sido real, talvez não. Uma coisa é certa, tudo foi uma experiência, a câmera de vigilância se movendo, junto com a abertura da escotilha e a luz do sol entrando eram, na minha opinião, a confirmação que faltava.

Não estou dizendo que tenho razão, você pode checar tudo que coloquei aqui, mas estou bastante certo de que os cineastas deixaram indícios suficientes para termos certeza de que tudo era um grande experimento. Depois de assistir duas vezes eu gostei do filme, gostei mais quando percebi essas coisas.

Mais teorias:

Na internet rolam teorias onde eles nunca deixaram a nave. As alucinações teriam ficado tão intensas que eles pensaram ter deixado a nave. As duas pessoas mortas no final foram Dvorak e Bug.

Logo no início, existem várias facas na parede da cozinha. No final, duas facas estão faltando. As duas que Bug e Dvorak tinham para proteção pessoal.

Eles nunca deixaram a nave, no final de 400 dias o vídeo pré-gravado mostra que os executivos e o público estão prestes a descobrir apenas dois tripulantes de teste e uma carnificina lá dentro.

Nessa teoria onde a “ciência” se torna ficção, o momento crucial é quando Dvorak vê o cara assustador descendo da escotilha e aponta para o Theo a direção onde ele viu. Theo então também vê o homem e, assim, o conceito de alucinações em grupo nascem. A partir daqui tudo se conecta.

labirinto-400-dias
Bug em seu labirinto pessoal, prestes a perder a sanidade.
  1. A senhora na cozinha que esfaqueia o Theo é na verdade a doutora. Ela estava convenientemente ausente neste período de tempo, e é claro na mente de Theo, ele não pode conceber sua namorada o esfaqueando, então sua mente faz referência a um dos repórteres no início. Que também faz sentido, porquê ela iria dizer “desculpa” e se afastar dele? Ela então corre para obter os medicamentos e ajudá-lo neste momento.
  2. O “restaurante” é na verdade a mesa da cozinha a bordo da nave. A pista aqui é que a ordem em que eles estão sentados é a mesma a bordo da nave quando eles comem. Além disso, eles recebem sopa. A mesma sopa que comem no início. Dvorak até menciona a aparência de merda.
  3. No “bar”, quando Dvorak vai falar com a Miss Fevereiro. Ele está apenas indo de volta para o quarto, com sua revista (se é que você me entende). Quando ele sai do quarto, ele é o “carniceiro” que Theo estrangula no final. (A mente de Theo faz referência a essa personagem como seu companheiro de prisão no início).
  4. Bug fica acordado para os outros dois dormirem, mas aqui, na verdade, ele fica vagando pelos corredores da nave e eventualmente, fica completamente louco em seu quarto, cheio de labirintos, andando em círculos. Até que ele finalmente se torna o cara assustador na mente de Theo, apenas olhando para todos. Observe como Theo ataca primeiro. Bug é capaz de dominá-lo, porque Theo está ferido.

--------------------
Você sabia que o Cinemagem também está no Instagram, no Facebook e no Twitter? Então não perca tempo e siga a gente por lá.